Escolas dos EUA permitirão crianças de 5 anos escolherem seu gênero, sem autorização dos pais


Crianças de 5 anos poderão escolher seu próprio gênero e até mesmo sua raça nas escolas, sem o consentimento dos pais. (Foto: mothersblog.gr)



Uma proposta que permitiria que estudantes a partir de 5 anos de idade em Delaware escolhessem sua própria identidade de gênero e até mesmo de raça - sem o consetimento dos pais - provocou uma dura batalha judicial.

De um lado, os pais dizem que querem um clima mais acolhedor para seus filhos transgêneros. Do outro lado, outros pais dizem que a proposta infringe seus direitos parentais básicos.

De acordo com o Regulamento 225, as escolas seriam obrigadas a fornecer acesso a instalações e atividades consistentes com a identidade de gênero de cada aluno, independentemente do sexo biológico da criança. Isso inclui banheiros, vestiários, esportes de equipe e adesão ao nome preferido da criança. Sob a proposta, os alunos também podem escolher sua própria raça.

O que irritou alguns pais é que o novo regulamento não exige que as escolas informem os pais ou responsáveis sobre a decisão da criança. Em vez disso, a política aconselha os administradores a avaliar o bem-estar da criança antes de divulgar a informação aos pais dela.

Enquanto um número crescente de estados estão impondo regras para proteger estudantes transgêneros, as regras propostas pelo estado de Delaware vão além - deixando uma criança decidir sobre o seu gênero, mesmo que o pai discorde da decisão.

"O regulamento não trata de manter um segredo, mas sim do que é do melhor interesse da criança", disse Mark Purpura, presidente da Equality Delaware. "A realidade é que há crianças que vivem com medo que não se sentem à vontade para sair com seus pais como gay ou transgênero".

Mas tantos outros dizem que este é mais um exemplo de excesso de governo. Eles dizem que os pais devem estar incluídos nas tomadas de decisões tão críticas como essas, que envolvem seus filhos.

"Eu ficaria decepcionada se a escola permitisse que minha filha tomasse uma decisão tão importante sem meu consentimento", disse Terri Hodges, integrante de um comitê de pais.

Hodges disse que não se opõe ao debate sobre o combate ao preconceito nas escolas, mas sente que alienar os pais não é o caminho certo para realizá-lo.

"Eu quero proteger as crianças", disse ela, "mas é possível escolher sem o consetimento dos pais".

A proposta do estado atraiu mais de 11.000 comentários públicos sob a forma de cartas, e-mails e envios online - a maioria se opõe à nova regra.

Se aprovado, o regulamento protegeria 19 características - as proteções que o especialista David Cohen, professor de direito da Universidade Drexel, disse que não estão representados na atual política federal contra a discriminação.

"O título IX não abrange explicitamente o gênero", disse Cohen. "Tudo o que fala é sobre discriminação sexual - e nem todos os tribunais, administradores ou administrações interpretam a identidade de gênero como sexo".

O representante do estado de Delaware, Rich Collins, R-Millsboro, disse que o regulamento proposto é oneroso, excessivo e confuso. Ele disse que a atual política antidiscriminação é concisa e eficiente, e substituí-la por um regulamento mais extenso é uma distração.

"Isso está nos afastando da bola", disse Collins. "Temos uma escola que tem uma habilidade matemática de 3% e há problemas educando nossos filhos [em todo o estado]".

Se aprovado, Delaware ficaria entre os 18 estados e o Distrito de Columbia, que implementaram regulamentos contra o assédio baseados em identificação de gênero e orientação sexual.

Delaware é um dos primeiros estados a elaborar uma proposta para reconhecer explicitamente a identificação de gênero nas escolas como uma característica protegida, e os infratores - não está claro se isso se refere aos professores ou administradores - poderiam ser processados.

Após um período de audiência pública, o Departamento de Educação aprovará ou negará o regulamento.

Guiame

0 comentários:

Postar um comentário


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...