ISTOÉ: Marco Feliciano, o homem que afronta o Brasil

Revista acusa PSC de trocar renúncia de pastor por cargos no governo
Nas últimas semanas, quase diariamente o pastor Marco Feliciano aparece na mídia por conta de seu papel como presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara.

Agora ele está na capa da revista semanal ISTOÉ que vai às bancas dia 30. A longa reportagem faz uma recapitulação dos fatos relacionados com a tentativa de fazer Feliciano renunciar. Algo, aliás, que ele já disse que não fará.
Segundo a publicação, o Partido Social Cristão (PSC), ao qual ele é filiado, está se valendo de um “ velho e surrado oportunismo político orientado por uma lógica eleitoral”. Ou seja, A legenda que tem apenas 16 deputados eleitos, passou a figurar na imprensa e chamar atenção.

Entrevistado pela ISTOÉ, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que é membro da bancada evangélica e comentarista político, faz as seguinte avaliação: “Ele não renunciará. Se ele renunciar, não se reelege nunca mais. Se ficar, se reelege com 1 milhão de votos sem sair de casa”.

O vice-presidente do PSC, pastor Everaldo Pereira, comemorou que “nunca antes o PSC tivera tamanha visibilidade” e afirmou aos repórteres: “Acho que agora vão nos convidar para o banquete!”. Ou seja, agora o governo reconheceria a importância do partido e receberia mais na divisão de cargos.

De fato, o pequeno partido é parte da base da presidenta Dilma Rousseff, mas não indicou nenhum ministro nem cargos para o primeiro e segundo escalões. O PSC acredita que conseguir para Dilma, os votos dos evangélicos, em especial depois das polêmicas declarações da então candidata sobre o aborto.

“Apoiamos a campanha e hoje somos um aliado fiel que não tem cargos. Somos maiores do que outros partidos mais consolidados, como PCdoB e PV. Mas que nunca teve direito a muita coisa”, declarou o pastor Pereira à revista ISTOÉ, que afirma que “o partido tem pregado seu fundamentalismo cristão e conservador nos corredores do Congresso e nas reuniões”.

Se politicamente Feliciano está visado, a revista entende que ele ganhou muito do ponto de vista pessoal. Além de atrair uma ala conservadora de potenciais eleitores não evangélicos, “o número de downloads de CDs e DVDs, como “Caçadores de Jumenta”, quase dobrou em março”.

Na próxima semana, o deputado Henrique Alves, presidente da Câmara, já anunciou que irá convocar Feliciano para uma reunião com a presença de todos os líderes de partido. Trata-se de mais uma tentativa de fazê-lo renunciar. Por outro lado, existe a ameaça de ele ser condenado pelo Conselho de Ética por “quebra de decoro”. Entre as acusações, estão denúncias publicadas na imprensa sobre as empresas que o deputado-pastor teria escondido da Justiça Eleitoral e os “pastores funcionários fantasmas” de seu gabinete, além dos processos por estelionato e homofobia que ele responde na Justiça.

Paralelo a isso, o deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), suplente na comissão de Direitos Humanos, anunciou que entrou com uma representação no Conselho de Ética contra Feliciano, “Após a intransigência do pastor e de seu partido, não há mais espaço para um acordo político que resolva a questão. Nós temos instrumentos para resolver o imbróglio. A situação é insustentável, a ponto do pastor mandar prender quem exerce o direito da livre manifestação. Passou do limite do admissível. Vamos ao Conselho de Ética e também pediremos renúncia coletiva dos membros da comissão”, explicou Jordy, que deverá contar com o apoio da maioria dos partidos na Câmara.

A resposta de Feliciano foi republicar nas redes sociais um link para um vídeo de três minutos, postado ano passado no Youtube, onde o deputado Arnaldo Jordy pressionando uma mulher a abortar o filho que seria dele. Identificada como Josy, ela se recusa a fazer um aborto e ainda cobra que Jordy apoie a gestação.

 
 


Com informações de ISTOÉ e Estado de São Paulo
GP

0 comentários:

Postar um comentário


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...