Hospital pede que grávida assine formulário o isentando de usar suporte de vida a bebê que nasceria prematuro e mulher procura outra clínica para conceber

Uma mulher grávida de 24 semanas teve que ser transferida para outro hospital para que sua filha recebesse os devidos cuidados e pudesse nascer.

A mulher, de 33 anos, que pediu para não ser identificada, e que estava grávida de seu terceiro filho, entrou em trabalho de parto e foi internada no Hospital Southend, Essex, Inglaterra.

Como ela é uma sobrevivente de câncer do colo do útero, havia um alto risco de que a criança nascesse de um parto prematuro, em uma gravidez que possuía apenas 24 semanas.

Mulher de 33 anos e grávida de 24 semanas teve que ser transferida de hospital, do Southend para o Homerton, para que pudesse ter sua filha com segurança.

Após uma espera de 4 horas, no entanto, a mulher foi levada para a sala de parto e, em seguida os médicos lhe pediram para assinar um formulário chamado “Do not resuscitate”, uma forma legal que hospital consegue reter a ressuscitação cardiopulmonar ou o suporte avançado de vida em cardiologia, caso o coração pare de funcionar.


Mas isso não agradou a ela e ao marido, que também não foi identificado, e eles se dirigiram para o Hospital Homerton, em Londres.

Lá a mãe recebeu os devidos cuidados e a filha, chamada Lily, nasceu.


O pai da criança apresentou uma queixa dizendo que acredita que a filha poderia ter morrido se tivesse vindo ao mundo no outro hospital.

Uma investigação para apurar as alegações dele está sendo realizada.

Fonte: Mirror

0 comentários:

Postar um comentário


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...