214 mulheres e meninas libertadas pelo Boko Haram estão grávidas

Pelo menos 214 mulheres e meninas, entre cerca de mil refénsresgatados nos últimos dias das mãos do Boko Haram no nordeste da Nigéria, estão grávidas, segundo relato à imprensa do médico Babatunde Osotimehin, diretor-executivo do Fundo de População das Nações Unidas. 

“Algumas estão visivelmente grávidas, e outras deram positivo nos exames”, acrescentou o alto funcionário, quem também revelou que a maioria delas precisa de atendimento médico e psicológico urgente e especializado, pois foram submetidas a um enorme estresse.

“Fui transformada em um objeto sexual do Boko Haram. Revezavam-se para se deitar comigo. Agora estou grávida e não sei quem é o pai.” Asabe Aliyu, de 23 anos, é uma dessas mulheres e assim descreveu ao jornal nigeriano Daily Timescomo foi seu cativeiro de seis meses. 

Estupradas, casadas à força, obrigadas a combater, vendo seus maridos e pais sendo assassinados diante delas. Seus relatos, que vão chegando a conta-gotas, refletem toda a violência exercida contra elaspelo grupo terrorista mais sanguinário da África

Essas mulheres e crianças, libertados na passada semana em três operações militares na selva de Sambisa, Estado de Borno, e neste domingo em um último resgate no município de Madagali, encontram-se agora em diversos campos de refugiados da região nordeste, a maioria em Yola (Adamawa), aonde chegaram neste fim de semana após vários dias de viagem em caminhonetes oferecidas pelo Exército.

Asabe Umaru relatou à imprensa: “A cada dia morria alguma de nós, e só esperávamos que chegasse a nossa vez. Não permitiam que nos mexêssemos nem um centímetro, até para ir ao banheiro nos acompanhavam”. Cecilia Abel, por sua vez, disse que “à tarde davam farinha de milho para comer. 

Muitos dos capturados morreram na selva da Sambisa”. O próprio resgate foi complicado. As mulheres se refugiaram sob as árvores quando os soldados nigerianos chegaram, mas os terroristas tentaram levá-las na sua fuga. “Quando nos negamos, começaram a nos apedrejar. 

Segurei meu bebê junto da barriga para protegê-lo e me encolhi. Algumas morreram por causa das pedras”, contou Lami Musa, de 27 anos.

Musa também revelou que algumas delas foram obrigadas a assistir quando membros do Boko Haram mataram seus maridos ou pais. “Sequestraram toda a minha família e mataram o meu marido na selva de Kilkasa quando eu estava grávida de quatro meses. Depois, na selva de Sambisa, dormíamos ao relento. 

Disseram-me que quando desse à luz o bebê me casariam com um dos seus comandantes. Passavam dias sem que nos dessem comida nem água, até que há três dias, na noite antes de eu ser libertada, dei à luz a menina”, contou ela à BBC.

Um recente relatório de Anistia Internacional revelou que 2.000 mulheres e meninas foram sequestradas pelo Boko Haram no último ano para serem usadas pelos terroristas como escravas sexuais ou cozinheiras, ou então obrigadas a se casarem com os combatentes ou vendidas para casamentos forçados. 

Algumas delas inclusive foram forçadas a combater. Ainda não há notícias de 219 meninas, todas elas estudantes em Chibok, que foram sequestradas em abril de 2014.

As Nações Unidas e o Governo nigeriano, que já abriram um novo campo para acolher as mulheres e crianças recém-libertadas, estão trabalhando em um programa específico para “ajudá-las a superar o trauma psicossocial que viveram antes de reintegrá-las de novo à sociedade”, segundo Osotimehin. 

“Algumas dessas mulheres foram submetidas a um enorme estresse e sofreram muito. Temos que trabalhar com elas, uma a uma. Mostram muitos sinais de estarem traumatizadas.”

Brasil Post

0 comentários:

Postar um comentário


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...