Céu muçulmano é orgia eterna, ensina clérigo

Saudita diz que cada um terá virilidade de cem homens
Toda vez que atentados terroristas envolvem homens-bomba, o ocidente se questiona qual a motivação por trás desse ato extremo. Parte da mídia tem especulado que as mortes em Paris na última semana seriam uma espécie de ‘resposta’ ao comportamento xenófobo dos franceses. Há quem faça uma correlação com o longo período que países europeus colonizaram outras regiões do mundo.

São raras as vezes que o discurso politicamente correto dá vez à análise necessária de que a motivação na grande maioria dos casos não é política, mas religiosa. O site JihadWatch [Vigiando o Islã] recentemente publicou uma análise sobre essa motivação ao martírio que se não é exaustiva, lança alguma luz sobre aqueles que não tem conhecimento dos ensinamentos do Alcorão e das tradições ensinadas pelos líderes religiosos muçulmanos.

Sim, existem casos de mulheres-bomba e até de crianças-bomba, mas esses são a exceção. Via de regra, quem se voluntaria para trocar sua vida terrena por uma recompensa no céu a título de martírio pela jihah (guerra santa), são homens.

O clérigo saudita Yahya Al-Jana explica em uma de suas preleções disponíveis na internet que todo muçulmano que chegar ao paraíso como mártir, terá o “prazer” de passar todo o tempo tendo relações sexuais com virgens.

A condição alcançada lhe daria a potência sexual equivalente a “cem homens”. Intercalando explicações com a citação de trechos do Alcorão, o céu que Al-Jana descreve parece mais com uma orgia do que com um local de descanso eterno.

“Você terá a virilidade necessária para ficar na cama com uma centena de virgens em uma única manhã”, apregoa. “O paraíso está cheio de mulheres jovens e de seios fartos”, ensina, para ressaltar que eles são “como romãs”.

Se na terra as mulheres muçulmanas não podem andar com o corpo a mostra, especialmente a cabeça, neste ‘céu’ islâmico, elas ficam nuas. A comparação de Al-Jana é que a virtude não pode ser comprometida por um fiel do Islã, caso ele prefira uma ‘prostituta descoberta’ da terra que as virgens do paraíso.

Segundo sua pregação, essas virgens que habitam o paraíso têm seus himens regenerado no dia seguinte. Ou seja, sua virgindade é restaurada para que possa ser deflorada constantemente. Ele só não explica quem são essas mulheres, que parecem ser uma criação celestial com o único propósito de dar prazer.

Essas mulheres, denominadas houris, são claramente jovens e “inocentes” (virgens) (Alcorão 55: 72-74). O bom muçulmano habitará “jardins circundados por vinhas e mulheres voluptuosas da mesma idade” (Alcorão, 78: 31-33). O texto sagrado islâmico não diz quantas elas são, mas esse tipo de ensinamento provém das hadith, que são citações atribuídas a Maomé pelos seus discípulos.

Para aqueles que afirmam que judeus, cristãos e islâmicos servem ao mesmo Deus, é bom lembrar que o judeu Jesus ensinou sobre o além-vida: “nem se casam nem se dão em casamento, mas serão como anjos no céu” (Mateus 22:30).

Assista (em inglês):



GospelPrime

0 comentários:

Postar um comentário


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...